O lixo e a política

Enquanto o “civilizado e polido” prefeito de São Paulo joga flores malcheirosas na rua em vez procurar uma lata de lixo, a candidata da extrema-direita à presidência da França joga mulheres na lata de lixo em vez de colocá-las na rua. O que é, onde está e para que serve uma lata de lixo, quando estamos na rua do progresso?
FN: um partido que não tem como ser moralmente legitimado.

Sabemos que, enquanto deputada da união europeia, Marine Le Pen – que é mulher e se diz “feminista” – votou contra (ou se absteve de votar a favor de) 59 textos que favorecem as mulheres na Europa. Pronunciou-se 17 vezes contra, 3 a favor, absteve-se 7 vezes e para 32 propostas ela esteve ausente, sendo que é extremamente bem paga para fazer este trabalho.

O que esta grosseira adepta do populismo e da demagogia alegou ontem em entrevista na televisão, é que alguns projetos continham alusões à migração, por exemplo, “o ensino da língua francesa a mulheres migrantes”.

Não estou apenas chocada com a falta de humanismo, a crueldade da candidata, mas com a aquiescência de pelo menos 40% da população de um país e sobretudo com a banalização de um partido que, em essência, por suas ideias e valores, não tem como ser moralmente legitimado, sobretudo dentro de um regime republicano que se funda no livre-arbítrio e no respeito pelos interesses, potencialidades e faculdades do ser humano.

 

A Cultura contra o Front National

A Cultura contra Le Pen

Logo mais estaremos reunidos – artistas plásticos, críticos de arte, jornalistas culturais, historiadores, professores universitários, músicos, escritores, etc. – na Cité de la musique (Filarmônica de Paris). Todos contra o Front National (Frente Nacional).

Embora a situação seja outra, sentimos na pele o que sentiu boa parte dos americanos esclarecidos antes da eleição de Trump, presidente com o qual a reacionária Marine Le Pen simpatiza, assim como com Putin e neo-fascistas como o ditador da Hungria Viktor Orban e a primeiro-ministro da Polônia Beata Szydło.

Se a representante do Front National, partido neo-fascista, passar com o seu projeto social e econômico obsceno, com as medidas restritivas, a saída (agora absurdamente “parcial”) do Euro e o Frexit – guiada pelo ódio, racismo, xenofobia e nacionalismo (comparável ao dos nazistas em 1932), a Europa inteira entrará num período negro.

Em seus discursos populistas e demagógicos, esta rica “herdeira”, antiga péssima aluna (é bom lembrar), vulgar festeira nascida em berço de ouro dentro de um palácio – fumadora, bebedora, velha frequentadora de discotecas – diz “pertencer ao povo”. Compreende-se que é justamente a parte ignorante e desmemoriada da França que votará nela.

De minha parte, sugiro que o leitor brasileiro faça uma pesquisa Google sobre a mãe da candidata, Pierrette Le Pen, que posou nua para a revista Playboy nos anos 1980 e ficou conhecida pelos seus “excessos” quando ainda era casada com o então presidente do partido da extrema-direita francesa. Sabemos quem é o pai, devemos igualmente saber quem é a mãe, pois, como é do conhecimento de todos, “as maçãs nunca caem longe da árvore”.

É este o perfil de um presidente da França? Até a próxima, que agora é hoje e jamais tinha pensado o quanto é fundamental sabermos o que é, onde está e para o que serve uma lata de lixo!

 

 

Anúncios

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s